3 de novembro de 2008

de Cervantes

Não há livro tão mau que não tenha algo de bom.


Nenhum comentário: